Notícias

Primeiro Simpósio "Preconceito com Drogas" é realizado pela Bahiana

Encontro promoveu discussões do campo da saúde e do âmbito jurídico.
30/05/2019


Primeiro Simpósio "Preconceito com Drogas" é realizado pela Bahiana

Encontro promoveu discussões do campo da saúde e do âmbito jurídico.

Compreender as questões sociais e de saúde no consumo de psicoativos. Esse foi o propósito do 1º Simpósio “Preconceito com Drogas: até aonde vai o seu conhecimento científico?” promovido pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. O evento, que aconteceu no dia 23 de maio, no Campus Cabula, foi organizado pelos professores de Saúde Coletiva Marlene Barreto e Ricardo Araújo, junto com os alunos do curso de Odontologia.
 
Durante a abertura do simpósio, a professora Marlene Barreto discursou sobre a escolha da temática abordada no evento. “Nesse semestre, decidimos falar sobre drogas, pois nos permite ampliar o trabalho feito em sala de aula, na disciplina de Saúde Coletiva. Trabalhamos a clínica ampliada com a perspectiva do sujeito biopsicossocial, então esse sujeito tem um biológico, mas também possui uma dimensão subjetiva, que faz parte de um contexto social. Então, é a partir dessa linha de pensamento que estamos aqui hoje discutindo sobre psicoativos”.
 
     

O professor Ricardo Araújo conta como a discussão sobre drogas no meio acadêmico ainda é um tabu e a relevância de falar sobre o assunto com futuros profissionais de saúde: “Trouxemos a proposta de abordar esse tema de uma forma científica, porque, no dia a dia, ouvimos muitas informações equivocadas sobre as drogas. Queremos formas profissionais que entendam quais são os problemas relacionados aos psicoativos e o contexto em que o usuário está inserido, com o objetivo de não simplesmente julgar essas pessoas, mas compreender essa questão social com um olhar sinérgico”.
 
A coordenadora de Desenvolvimento de Pessoas da Bahiana, Luiza Ribeiro, expressa sua opinião acerca da importância de tratar desse tema: “Nós, que trabalhamos com o cuidado ao outro, temos que olhar as pessoas e entender as suas histórias ao invés de julgar a situação em que elas se encontram com o consumo de psicoativos. É uma lição de vida compreender as questões das drogas, e todos os nossos estudantes, futuros psicólogos, dentistas, fisioterapeutas e médicos, irão trabalhar com pacientes que sofrem com essa situação e precisam saber como lidar com isso de uma forma humanística”.
 
O simpósio contou com uma programação diversificada, na qual as seguintes perspectivas foram expostas: a ética clínica no cuidado aos usuários de álcool e outras drogas; o consumo de drogas e a formação acadêmica; o manejo das intervenções médicas e psicológicas no consumo de psicoativos; e a legalização das drogas, sendo este o tema mediado pelo juiz de Direito da Comarca de Conceição do Coité, Dr. Gerivaldo Alves Neiva.
 
Um dos principais palestrantes foi o Dr. Antônio Nery, fundador do Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas (CETAD/UFBA), que explicou como é importante entender acerca das drogas de forma ética e social. “A universidade é um lugar privilegiado para a formação, e esse fenômeno do consumo de drogas tem sido muito malvisto. Precisamos, portanto, mostrar aos estudantes que o problema não está nas drogas, mas sim nas pessoas. São as pessoas que vivem e têm dificuldade, adoecem e acabam enxergando os psicoativos como uma alternativa de vida. Esses encontros acadêmicos são essenciais para tratarmos dos problemas sociais.”

 
     
 

Diversos estudantes e profissionais participaram do evento. A técnica de enfermagem Dulce Matos expõe o que achou do simpósio: “Gostei bastante, foi muito enriquecedor. O tema discutido é algo amplo e diferenciado. Para nós, profissionais da saúde, é muito importante entender a vida do paciente que utiliza substâncias psicoativas”.
 
A estudante do 7º semestre de Odontologia Isabela Caetano foi uma das organizadoras do simpósio e compartilhou sobre por que estudar as drogas agrega formação acadêmica e profissional. “Devido a nossa demanda clínica, começamos a ver que muitos pacientes tinham dependência de drogas e que compreender o que isso significa para a vida da pessoa que sofre desse problema faz diferença no tratamento de saúde. Quando falamos em legalização, precisamos saber, a partir da teoria científica, do ponto de vista da saúde e do jurídico também, como o uso de drogas influencia na vida do cidadão”.
 

Confira a galeria de fotos.
 

Campus Brotas

Av. Dom João VI, nº 275, Brotas.
CEP: 40290-000
tel.: (71) 3276 8200
fax.: (71) 3276 8202

Campus Cabula

Rua Silveira Martins, nº 3386, Cabula
CEP: 41150-100
tel.: (71) 3257 8200
fax.: (71) 3257 8230

Coordenadoria Geral

Av. Dom João VI, nº 274, Brotas.
CEP: 40285-001
tel.: (71) 2101 1900
fax.: (71) 3356 1936